sábado, 30 de agosto de 2008

1º Encontro "Fontes da Ficção"

Ademir Pascale

29/08/08, 19h30, sexta-feira. Um encontro entre leitores e escritores da literatura fantástica aconteceu na grandiosa Livraria Martins Fontes, situada na Av. Paulista. Nelson Magrini, J. Modesto, Ademir Pascale, Ricardo Delfin, Marcelo Borghi, Elenir Alves, Martha Argel, Giulia Moon, Sérgio Pereira, James Andrade, Cláudio Villa, Hiago Rodrigues e alguns leitores, debateram assuntos demais interessantes: John Milton, Kafka, Poe, gêneros literários, mercado editorial e até Paulo Coelho, rolou na divertida prosa, salpicada a fotos, cafezinhos e sorteio de livros, além da apresentação das excelentes obras AMOR VAMPIRO, ANHANGÁ – A FÚRIA DO DEMÔNIO, RENASCIMENTO e GETSÊMANI – A VERDADE OCULTA, todos lançados pela Giz Editorial. O quarteto: J.Modesto, Nelson Magrini, James Andrade e Sérgio Pereira, aproveitou para falar também do novo site FONTES DA FICÇÃO, que será mantido pelos mesmos, sendo que cada um dos autores publicará um exclusivo conto semanalmente.
Ótimos escritores; acessíveis, amigos e carismáticos… Não poderia dar uma definição melhor para esta nova safra de escritores que está se expandindo cada vez mais entre os jovens leitores brasileiros. Finalmente as editoras, livrarias e leitores, estão se voltando para os nossos talentosos autores que permeiam nossas mentes com suas incríveis e “brasileiras” histórias fantásticas.
Aproveitem, acessem o site FONTES DA FICÇÃO (www.fontesdaficcao.com) e leiam o conto O Nariz, de J. Modesto.

Ademir Pascale - www.cranik.com
ademir@cranik.com
Elenir Alves
James Andrade, Sergio Pereira, Ademir Pascale, Nelson Magrini e J.Modesto
Nelson Magrini e Ademir Pascale

domingo, 24 de agosto de 2008

Estou lendo a obra Gênese Pagã, presente da digníssima autora Simone Marques. Para saber mais sobre a obra, acessem o site da editora: http://www.biblioteca24x7.com.br/


sábado, 23 de agosto de 2008

Arte: Audrey Kawasaki

Coruja Jezebel

Natan, amigo e companheiro de diversas bebedeiras. Rapaz jovem que se foi cedo, muito cedo, não sei pra onde... Quem sabe para o céu ou mesmo o inferno?
Coruja Jezebel: noturno e crepuscular ser que passou a me acompanhar nas noites de solidão, a vigiar meus passos vacilantes e a pousar em meu ombro nas frias manhãs paulistanas, sempre antes de partir para os confins do inimaginável. Ave estrigiformes de rara beleza; murutucu, agourenta, às vezes mascote de Atena, outras, personificação de Lilith, ou apenas mero e pequeno demônio alado? Seu olhar indiscreto e seu irritante piado, passaram a me perseguir loucamente, noite após noite. Prenúncio de má sorte? Quem sabe, talvez pelo feminiu que a nomeei, enganando-me por completo, pois numa noite de trevas, após minha bebedeira noturna, sorrateiramente ela pousou em meu ombro esquerdo, deixando-me deveras irritado, e antes que eu lhe desse um forte e certeiro golpe com minha garrafa de uísque escocês, fixou seus vitrificados olhos nos cansados meus e, sem mais nem menos, como num pesadelo escrito pelo próprio Poe, vociferou: "Não se sinta só; para o céu não fui convidado e do inferno escapei. Agora estou do seu lado, velho companheiro, até o dia, em breve, que sua morte testemunharei..."

Ademir Pascale - ademir@cranik.com
.

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

Participem do Terrorzine - Minicontos de terror

Olá, pessoal! Estamos (Elenir Alves e Ademir Pascale) com o projeto Terrorzine - Minicontos de Terror, uma revista eletrônica independente. Nosso principal intuito é o de difundir e divulgar gratuitamente o trabalho de veteranos e jovens autores dos gêneros fantasia, ficção e terror. A distribuição será gratuita por meio de e-mails e downloads e cada autor terá direito a 01 página com um miniconto de no máximo 12 linhas e minibiografia de no máximo 5 linhas.
Os interessados deverão visitar e baixar a ficha de inscrição na página: www.cranik.com/terrorzine.html
Um abraço grande,

Ademir Pascale

domingo, 17 de agosto de 2008

Nelson Magrini e Ademir Pascale (20ª Bienal do Livro - São Paulo).

Escritores: Regina Drummond, Martha Argel, Giulia Moon, Ademir Pascale, J. Modesto e Nelson Magrini (20ª Bienal de São Paulo - Anhembi).
Edson Rossatto e Ademir Pascale no Stand da Andross (20ª Bienal)

sábado, 9 de agosto de 2008

Frei François

(miniconto)
Os rumores de que o frei François falecera era algo vago e incerto, mas curioso que sou, visitei sua igreja e, temeroso, procurei pelos sinais da morte, mas ao contrário, encontrei vida em um corvo que fazia questão de me vigiar, até que algo estremeceu minh'alma; ruídos no porão da antiga biblioteca Franciscana que mais se assemelhavam aos dos roedores, mas, no meio dos ruídos, uma medonha voz se fez viva. Corri até próximo do porão e, com certo esforço, levantei o pesado alçapão de madeira. Um forte odor de enxofre invadiu o local, espantando o estranho corvo e deixando minhas narinas deveras irritadas, mas nada se comparava a nova aparência daquele que já fora um pacato e mortal frei: pálido como a cera de uma vela e possuidor de aquosos e vitrificados olhos e de poderosos e pontiagudos caninos.

Sim, os rumores eram verdadeiros, o frei François já não está mais entre nós... - Ademir Pascale - ademir@cranik.com


No escuro salão da abadia de Ma Ahathoor

(miniconto)
Quando adentrei-me no grande salão escuro da abadia de Ma Ahathoor, visualizei um diabólico ser de cócoras contemplando um punhado de velas vermelhas ritualísticas. Ao seu redor um monge dava o seu último alento, enquanto outros já compartilhavam da companhia eterna de seres infernais. Aproximei da criatura que, de cabeça baixa, ironizou com um tétrico e incessante gargalhar, mas, como sou amante do silêncio, além dos corpos sem vida, dei as costas para uma estranha, ensangüentada e desmembrada criatura. - Ademir Pascale - ademir@cranik.com


sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Cultura


Visite o blog da ativista cultural Elenir Alves. Acesse: www.brilhodeestrela.blogspot.com

cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura cultura

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

O dragão desperta!

Despertar do Dragão é o terceiro volume da saga de fantasia A Caverna de Cristais da escritora e amiga Helena Gomes, que tem também O Arqueiro e a Feiticeira e Aliança dos Povos, já publicados. A capa foi feita pelo artista plástico Milton Nakata. E haverá uma tarde de autógrafos na Bienal do Livro, em São Paulo, no estande da Idea Editora: dia 23 de agosto, às 16h30. Todos estão convidados!

Caminhos do Medo - Lançamento: 10/08


Dia 10 de agosto (domingo), das 16 às 19h, na Casa das Rosas, acontece o lançamento da antologia de contos de terror Caminhos do Medo, da Editora Andross. Participo da obra com o conto “Mr. Sheol”. Conto com vocês lá...

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Era uma vez...(?) por Ademir Pascale

O diretor Breno Silveira (Dois filhos de Francisco) acertou em cheio em Era uma vez.., longa magnífico, tanto no roteiro como na fotografia, direção e atuações ... Que era uma vez coisa nenhuma, o título clichê não carrega a magnitude dos temas abordados; drogas, desigualdade social, amores impossíveis e preconceito. Na sala de exibição em que assistimos (eu e minha esposa Elenir) o longa-metragem aqui em São Paulo (Shopping Jardim Sul), 80% dos espectadores eram granfinos e confesso que em determinados momentos da exibição, notei um certo desconforto em seus semblantes, afinal, a grande tela revelava o preconceito dos ricos com os menos afortunados, ou melhor, OS NÃO AFORTUNADOS. A população de baixa-renda sabe muito bem que uma coisa leva a outra, e não preciso entrar em detalhes. Já os granfinos enxergam as coisas por outros ângulos... visões diferentes; mundos diferentes...

No final do longa, temos uma surpresa (?), o protagonista Thiago Martins (Dé) é um dos moradores de uma das favelas do Rio de Janeiro, e como disse nos créditos finais: “Moro até hoje na favela. A história que vocês acabaram de assistir poderia ter sido a minha história.” Thiago Martins fez uma atuação magnífica e espero vê-lo em outros longas, pois tenho certeza que os diretores já estão de olho neste excelente e jovem ator. Vitória Frate (Nina), a Julieta do nosso pobre Romeu, fez sua estréia no cinema, e sua atuação não fica atrás do nosso protagonista. ROMEU E JULIETA? Não contarei o final, pois perderá a graça, mas você se lembrará dessas duas antigas personagens do velho Shakespeare.

Só tenho uma coisa a lamentar: é triste saber que nossos melhores longas sempre envolvem tráfico de drogas, desigualdade social, violência e preconceito, assim como Carandiru, Cidade de Deus, Antônia – O filme, etc. Não nego que as tramas que abordam esse tema geralmente são envolventes, principalmente quando são salpicadas com excelentes atuações e direção, mas tenho certeza que os estrangeiros nos enxergam com outros olhares, pois para eles, nosso mundo é somente esse; essa é a influência negativa desses longas, mas fazer o quê? É a pura realidade, não é verdade?

Minisinopse oficial: Era uma vez... conta a história de amor entre dois jovens que vivem realidades bem distintas. Morador da favela do Cantagalo, em Ipanema, na Zona Sul, Dé descobriu cedo as dificuldades de vencer na vida de forma honesta, cercado pelas armadilhas do crime. Filho da empregada doméstica, Bernadete, e abandonado pelo pai, ele assistiu a um traficante matar seu irmão Beto. Em seguida, seu irmão mais velho, Carlão, é obrigado pelos bandidos a se exilar da favela e acaba preso ao ser confundido com marginais em meio a um arrastão na praia. Apesar de tantos contratempos, Dé mantém sua dignidade. Trabalhador, vende cachorro-quente num quiosque na praia. É dali, de trás do balcão, que observa Nina, filha única de uma família rica que mora na Vieira Souto, avenida em frente à Praia de Ipanema.

Os dois se conhecem na praia e acabam se apaixonando. Juntos, experimentam as alegrias, emoções e dificuldades de viver um amor tão grande quanto improvável. Porém, são alvo de críticas e preconceitos velados. Dé e Nina são o retrato da intolerância e dos abismos sociais que separam brasileiros não apenas no Rio, mas em cidades de todo o país e do mundo.

Ficha Técnica:
Título Original: Era Uma Vez...
Gênero: Drama
Duração: 120 min.
Ano: Brasil - 2008
Site Oficial: www.eraumavezofilme.com.br
Distribuidora: Columbia Pictures
Direção: Breno Silveira
Roteiro: Patrícia Andrade, com colaboração de Domingos de Oliveira
Fotografia: Dudu Miranda e Paulo Souza

Elenco:
Thiago Martins (Dé)
Vitória Frate (Nina)
Rocco Pitanga (Carlão)
Cyria Coentro (Bernadete)
Paulo César Grande (Evandro)
Luana Schneider (Cacau)
Felipe Adler (Ike)
Kikito (Café Frio)
Fernando Brito (Beto)
Rodrigo Costa (Dé - criança)

Ademir Pascale: crítico de cinema, contista e ativista cultural - ademir@cranik.com
.