sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

Alegoria da Maldade - por Ademir Pascale


Foi selecionado para publicação no dia 01/01/09 o meu conto "Alegoria da Maldade" no Fontes da Ficção, site mantido pelos autores J. Modesto, Nelson Magrini e James Andrade.

Leaim um trecho:

1350 a.C., dia das trevas.

Faltava pouco para a batalha começar: os demônios marchavam incessantemente em rumo a colina de Zahur. Meu povo humilde e desprovido de armas, apenas aguardava a chegada daqueles que lhes tirariam a vida e, próximo do nosso altar aos deuses Sol e Lua, em cima de uma pedra no alto da colina, eu os observava: de um lado, meu povo; velhos, crianças, jovens e casais. Do outro, marchando com firmeza, a tropa dos demônios em seus robustos e fantasmagóricos cavalos. O farfalhar metálico das armaduras e armas e o tropeio dos cavalos eram irritantes, mas o brilho das espadas refletidas sobre a irmã Lua, riscavam a noite como grandes pirilampos, fazendo-me lembrar dos tempos de criança, quando corríamos à noite nas colinas de Zarcar em busca destes insetos que brilham. Sim, o tempo passou como um relâmpago. Naquele fatídico dia eu era um homem de três décadas, casado com uma mulher muito especial e pai de sete maravilhosos filhos. A morte caminhava lentamente, e nada poderia impedi-la e muito menos cessar o inevitável, a não ser algo estranho e inesperado que surgia de minhas entranhas; amargo, odioso, perverso e quente. Eu sentia meu sangue ferver nas veias como uma grande torrente, e com os punhos fortemente fechados, aguardei na entrada da vila a chegada da morte, enquanto que meus contemporâneos...[...]

LEIA O CONTO COMPLETO EM: fontesdaficcao.wordpress.com/leitor-do-mes-janeiro2009-conto

.

2 comentários:

Mario Carneiro Junior disse...

Opa, parabéns cara! Parece coisa boa publicar nesse site. Vou ler assim que tiver um tempinho, e comento lá. Abraços!

Bruno R.Ramos disse...

Visitando o Ademir não poderia encontrar obra melhor para uma leitura inspiradora. Alegoria da maldade é uma das raras produções em que encontramos num estilo fantástico um texto com embasamento literário. Às vezes nos impacientamos em buscas virtuais atrás de um conto ou crônica que nos remeta a valores e qualidades de produção literária e, quase sempre, nos frustramos, mas Ademir é refrigério, sempre eleva o seu conteúdo às interdisciplinaridades, vamos à filosofia a um contexto histórico e social, a uma abordagem psicanalítica ou até mesmo teológica. Por isso saimos mais enriquecidos da leitura de seus textos. Não deixem de ler esse texto. VAi valer muito a pena.

Abraços